SIMEPAR é contra portaria do trabalho escravo

A diretoria do SIMEPAR repudia a Medida Provisória, editada pelo Ministério do Trabalho que altera a definição e a fiscalização contra o trabalho escavo no Brasil. Neste momento o SIMEPAR soma-se aos auditores fiscais do Trabalhojuízes, procuradores, organizações internacionais de trabalho e demais entidades sindicais contra mais essa medida do Governo que atende demandas de políticos em detrimento do trabalhador brasileiro, principalmente o mais humilde, que é resgatado pela fiscalização em situação análoga à escravidão, com jornadas excessivas, liberdade de locomoção restrita, coação.

A primeira batalha contra a “legalização” do trabalho escravo no país foi ganha, quando a ministra Rosa Weber do Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu liminar suspendendo a medida do Governo. Porém, muitas outras virão até que o plenário do STF julgue a liminar. O Sindicato dos Médicos no Estado do Paraná continuará na luta ao lado de todas as entidades sindicais e do movimento social para que a medida seja totalmente revogada. Não podemos permitir que esse governo que penalizou o trabalhador com a reforma trabalhista, avance ainda mais na retirada de direitos do povo brasileiro.

Os trabalhadores do Brasil não podem mais ver ficar de braços cruzados olhando as conquistas dos últimos 70 anos sendo retiradas. Primeiro, deformaram e quase acabaram com a CLT, que precariza ainda mais as relações de trabalho. Agora, para permanecer no cargo, o presidente da República, concedendo aos seus apoiadores a benesse  do próprio Ministro do Trabalho a determinar a não inclusão de empresas na chamada “lista suja”, que engloba aqueles que desrespeitam os direitos trabalhistas.



Nome
Email
PARCEIROS


FILIADO A